quarta-feira, 30 de setembro de 2009

rio

à sua maneira / de calção / com bandeiras sem explicação
carreiras de paixão danada
Chico Buarque

terça-feira, 29 de setembro de 2009

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

curitiba noir, por fabiano vianna

Na sexta-feira, inspirados por fotografias pb feitas pelo amigo Jaques Brand, eu e Fabiano Vianna nos infiltramos numa, por ele chamada, Curitiba Noir. Registramos alguns de nossos lugares favoritos. As imagens que coloco aqui foram captadas em meio a perambulações pelo centro velho. Do crepúsculo aos riscos da madrugada. Do Bar Mignon (ou Cachorro, ou ainda Triângulo, como alguns conhecem) ao apartamento do Jaques, que fica na Esquina d´Arte (e outras coisinhas), na rua São Francisco. As fotos são do Fabiano Vianna. http://fio-ariadne.blogspot.com/.










especulações sobre o amor simples

A garota que foi tua um dia, que te beijou antes de vocês entrarem no carro vermelho e se embrenharem, ela que você não tem certeza se soube que você só continuou a ser um maldito poeta quando encontrou um modo eficiente de acender fogueiras em seus olhos, ela que te mostrou que a intimidade é a única maneira de se produzir esperança e por isso a distância de hoje é o outro nome da morte, ela que já fez teu rosto se desintegrar em lágrimas, ela com quem você tantas vezes gastou seu parco dinheiro comprando caixinhas de bom-bons como eles fossem o band-aid capaz de conter a hemorragia de cada melodia desafinada, não, isso não é um ajuste de contas, mas você de algum modo foi assassinado, e apesar de tal tragédia a garota que foi tua um dia é uma dessas pessoas que compensam a vida, por isso se você não a evoca, ela também morre, então a chame, conclame, ela tem que saber que você não é um trapaceiro ou um mau-caráter, será que ela sabe que você está completamente desacorsoado, que abandonou mais do que a música, será que ela não desconfiou quanto podia aniquilar um pisciano como você, é, vai chegar o dia em que você só terá notícias dela pelo facebook, pelo youtube, a câmera dando close naqueles dentões ambiciosos, a garota que foi tua um dia, com quem você cantava igual Joan Baez e Dylan, a boca dela entrando na tua voz, será que ela sabe quanto você lamenta o amor de vocês não ter durado sequer o tempo de um sabonete, será que ela sabe que você é outra coisa, não um nerd ou um galãzinho dando uma de artista, será que ela sabe que você simplesmente é um desses caras que faz o que tem que ser feito, essa garota que foi tua e você levou numa porção de lugares especiais e também ao impraticável de onde vem, mostrando as pessoas pra quem tem virado as costas há anos, a garota que foi tua, em quem você um dia enxergou o extraordinário sentido humano mas agora tudo o que vê é uma astúcia tesuda, montada, então, cadê a singelaza da tua pequena, ela não tá nem aí se tuas vísceras de poeta carnívoro não precisam de férias, você vive agora piscando na tentativa de reter o choro, você vive tendo que passar pomada analgésica no peito constipado, e há essa qualidade aterradora no ar, essa adjetivação constante relacionada a dor invisível que quando chega o fim da madrugada ainda não acabou de te esmagar, e vem dela, de quem você beijou as omoplatas numa noite triste, enquanto ela colhia as próprias lágrimas com as mãos momentos antes de vocês se darem adeus pra sempre, a garota que foi tua um dia, por ela agora você perde a madrugada lendo um a um os 233 e-mails que trocaram, tentando entender em qual deles escreveu a frase que botou tudo a perder, agora que é tarde demais, agora que os olhos dela mudaram de cor sem que você compreendesse por quais deletérios foi deixado pra trás.

domingo, 27 de setembro de 2009

especulações sobre o amor simples

um dia alguém me disse que
o segredo está em
fazer a mulher rir
se tua garota, tua musa não for
alimentada com diversão
ela se esvai
enquanto ela rir
ficará tudo bem
atestei tantas vezes tal teoria
funciona mesmo na prática
o problema está em quando isso
não acontece naturalmente
você acaba fazendo o papel de
bobo da corte
e aí a coisa degringola
fazer o bobo da corte
é por tudo a perder

escute bem forte

sábado, 26 de setembro de 2009

a paciente

Amanhã, no Casos e Causos da Revista RPC, filme em que contraceno com minha amiga Michele Pucci. Com direção de Lelo Penha, para um roteiro esperto do Marcos Pamplona. Foi muito bom estar entre os criadores e a equipe desse curta produzido pela Spin Filmes. A Revista RPC passa após o Fantástico, na Rede Globo.

o pão brutal de ontem

Oferenda
.
Acorda após quatro horas de sono mal-dormido. Abre as cortinas. O sol pinica as retinas. Esfrega os olhos com a parte de trás dos dedos. No prédio em frente, só de calcinha, a menina fuma. É um possível cigarro de maconha. Agora estão novamente juntos, só ele e ela, em sua cumplicidade de 12º andar. A cada quinze dias, ele é presenteado com essa benção. Parece que finalmente alguém está inclinado a atender suas preces. Pode apostar que ela está se sentindo leve e solta, os pais foram passar o fim de semana em Caiobá (os pais têm o maior tipo de quem passa finais de semana em Caiobá). De repente, pânico, a guria some. Súbito, alívio, foram alguns minutos apenas, já está de volta. Deduz que ela tenha ido até a cozinha, tomar algum suco. Em instantes sumirá outra vez, possivelmente para buscar no banheiro os potes. É o momento dos cremes, que maravilha, o sábado está salvo, sábado odor baunilha. Ela se alisa, que delicadeza. Agora uma siririca, como é linda, e calma. Para quem, meu Deus, para quem essa siririquinha? Para quem se não para ele? Então ela fuma mais um cigarro, dessa vez Free. Seu charme não condiz com a idade. A camiseta que ela veste, sem sutiã, essa sim cai feito uma luva, combina, ah a jovialidade. Alegria, alegria para quem topar com ela por aí. Veste uma calça de moletom, mas com calcinha, droga. Imagine essa loirinha sem calcinha, um pouco suada, o creme ainda vivo sendo respirado pelos poros. Deus o perdoe, mas olhar para seres que nem esse é um método inteligente e eficaz de especulação existencial, a vida eterna é dele, e ele poderia arder infinitamente na fogueira desse ventre amarelinho. Essa guria é o que faz com que ele esqueça por algum tempo a sordidez do mundo, não tem película em Hollywood que bata essa luz, não mesmo. Olhar assim para essa delícia da criação humana em parceria, com certeza mais que apropriada, com o divino, não, não pode ser pecado. Agora é sua vez de ir para o banheiro. Ele escova os dentes, mas a Pri (não sabe se é esse o nome dela), é o apelido que lhe dá, Pri (de princesa), ela não sai de sua cabeça. Então ele encara sua patética figura no espelho e, lento, grave, diz: “Pri, hoje o meu dia será uma só oferenda a você.”

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

manual de putz sem pesares

Nem morto - desenho do bróder Carlos Carah

Deglutidores de Dores

Nosso nome deveria ser o suficiente para esclarecer: Deglutidores de Dores. Uma gangue? Revolucionários? Não é bem o que somos. Deixe-me dizer mais ou menos como agimos e talvez as coisas fiquem um pouco menos turvas. Vamos lá. Para começar, chutamos o cu da violência enquanto ela nos chupava o pescoço. Então arrancamos com seringa seus miolos enlameados depois de com dez milhares de tiros termos botado abaixo sua vidraça de barro um dia erguida pelo pecado original. Matamos a violência. Bebemos o sangue, bebemos o gozo da violência feito quem aceita doses de seus prazeres sadomasoquistas. Milagrosos? Não, também não fizemos milagres. Fizemos um tour desvendando a rota dos genes da violência. Lixamos as telhas das cascas de seus furúnculos. Britamos as pedras de seu cancro. Tivemos a fome de sua fome. Não ignoramos seus guetos. Nem fomos os porta-estandartes de suas falsificadas utopias. Pisamos na violência nosso próprio veneno, que inchou. Depois enfiamos o nariz em seus fios desencapados. Eletrocutamo-nos junto com ela. E abrimos as feridas do mesmo modo que abríssemos o zíper de uma bolsa em que ela carregasse perfume para não cheirar a bicho, pensando que se distanciava de nós. Tínhamos espelhos, côncavos, convexos, para refletir nossas solidões nas solidões da violência. Ela era milionária? Exibia dores impagáveis? Mostrenga morfética? Então negociamos com ela a preço de uma nota de dinheiro baixo e mercadorias falsificadas em sua própria promessa. Negócios, apenas negócios. Vai violência, ordenamos, edifica tua igreja de assassinos em série com a missa lida na carne pulsante de teus crentes. E assim arrecadamos muito, incontáveis moedas, mas não o bastante. Então miramos a violência, lanças que só sossegam ao conhecer o outro lado de quem está em sua frente. E sussurramos: Também somos canibais, bruxos residem em nossa medula e no eclipse cheio de mácula de nossos olhos gotejantes. Violência, ah, violência... Quebramos o vaso da fina porcelana do amor em sua cabeça, assim demos liberdade total às flores do mal. Depois nos empenhamos na deglutição. E agora que, depois desses anos, conhecemos a paz, procuramos não nos esquecer de quanto é amarga a papa do pão que o Diabo amassou.

dois espetáculos imperdíveis

.
Bicho corre hoje
.
Patrícia Saravy e Greice Barros
contracenam em Bicho corre hoje
.
CiaSenhas de Teatro
Texto e direção Sueli Araujo
Elenco Greice Barros e Patrícia Saravy
http://www.ciasenhas.art.br/
.
Teatro José Maria Santos
Rua Treze de Maio, 655
De 02 a 27 de setembro
de quarta a sábado, às 20h, domingo às 19h
Ingressos: 10,00 e 5,00
(quartas e quintas – leve uma pessoa e ganhe seu ingresso)
Informações: 3322-7150 e 9602-7651
.
O inventário de Nada Benjamim
.
Fernando de Proença, Olga Nenevê e Eduardo Giacomini
em O Inventário de Nada Benjamim
.
Grupo Obragem
Direção Olga Nenevê
Assistência de direção Elenize Dezgeniski
Elenco Eduardo Giacomini, Fernando de Proença e Olga Nenevê
.
Teatro Novelas Curitibanas
De 17 de setembro a 18 de outubro
De quinta a sábado às 21h, domingo às 19h
ingresso 1 pacote de leite em pó

terça-feira, 22 de setembro de 2009

a vida como ela é - nelson rodrigues

Fui ver A vida como ela é - Nelson Rodrigues, em ótima adaptação e direção (arisco dizer, brechtiana) de Edson Bueno. Pretendo escrever a respeito. Para isso, terei de assistir outra vez a peça, dada a complexidade do tema. Por enquanto, publico as letras das músicas compostas pelo maestro Octavio Camargo, responsável pela trilha do espetáculo. Fico feliz por assinar parceria em duas dessas pérolas.
.
Cheiro de saudades
(Octavio Camargo, Chiris Gomes)
.
hoje as palavras estão corrompidas
as mesmas palavras que um dia
foram jóias
guardadas num cofre
pra não se perderem
.
de vez em quando precisamos
dar uma volta ao passado
e somos vitimas de falsas lembranças
.
a memória tem suas alucinações
a sublime obcenidade diz
que a morte tem
cheiro de saudades
.
Íntimos segredos
(Octavio Camargo, Chiris Gomes, Luiz Felipe Leprevost)
.
bebados, boêmios, amantes da música
e moralistas de plantão
frequentam esse cabaret onde funciona a redação
onde os fatais destinos são escolhidos a dedos
páginas e páginas
sujas de tinta
é dia de sangue no jornal
e todo mundo vai ganhar
um extra nessa edição dominical
nossos intimos segredos, carícias e beijos
caindo nas mãos de bebados, boêmios
amantes da música e moralistas de plantão
.
Pecado original
(Octavio Camargo, Luiz Felipe Leprevost, Fabíula Nascimento)
.
o contorno dos teus lábios
quando dizem eu te amo
tem o rosto diabólico do pecado original
um convite para sair dessa vida
com uma única mordida
porque o corpo também pode
silenciar suas vozes
.
quando você estiver muda
suturada sua boca
a orelha ficou surda
não há Deus que te acuda
nem há Judas que te livre dessa culpa
.
você tem mãos e não as usa
sua filha da puta
você tem mãos e não tira as luvas
sua filha da puta
você tem mãos e não as usa
.
Sem exagero
(Octavio Camargo, Chiris Gomes, Letícia Sabatella)
.
bebendo vinho aos pouquinhos
te vi falando baixinho, sem exagerar
dizendo só o que se deve
nada além do que pede a boa educação
pois no mundo da mercadoria
o que predomina é a imagem
que se mostra
nunca a verdade do coração
.
foi aí que o teu amor se mostrou comportado
excessivamente preocupado em dar atenção
primeiro aos presentes
que estavam indiferentes
à nossa separação
.
entre sorrisos de bom dia e apertos de mão
conversas sobre o tempo
em teu rosto não havia
nenhuma expressão de sentimento
.
Língua madura
(Thadeu Wojciechowsky, Octavio Camargo, Bárbara Kirchner)
.
língua madura, como vai a vida, bendita e querida
ou anda sofrendo mais do que mulher de vida facil
conta pra nós, qual é a sua, língua madura
.
um homem de sua estatura
com toda essa envergadura moral
deveria andar de cabeça erguida
e nunca com a mão no bolso procurando um drops
pra mulher bomba que vai explodir seu coração
.
diga então, língua madura, como vai a vida, bendita e querida
ou anda querendo subir de posto nesse partido alto
e ser apanhado de pijamas
.
fica bacana, um homem de bem coberto de lama
completamente iludido por um beijo no asfalto
por favor toma tento, não faça vergonha
.
se atrapalhando todo atrás de um isqueiro
pra acender por primeiro o cigarro
de quem não te ama
.
Segue também texto do diretor Edson Bueno escrito um dia antes da estréia de A vida como ela é - Nelson Rodrigues. Fui buscar a crônica em seu blog http://efranbueno.blog.uol.com.br/.
.
Estreia amanhã, “A VIDA COMO ELA É - NELSON RODRIGUES”, minha nova aventura (minha não, minha e de meus atores!) no universo mexido e remexido de Nelson Rodrigues. É gostoso brincar com a sua obra e as suas palavras. Tivesse disposição, dinheiro e coragem e teria dedicado a vida inteira a encenar apenas Nelson Rodrigues. Acharia mil maneiras de colocar em cena absolutamente tudo o que me fosse possível. As frases, os artigos, os contos, as peças de teatro. Teria, com certeza, tido uma vida artística intensa (a minha é, mas teria sido mais!) e original. Ontem, dando uma entrevista para um (excelente!) jornalista da Gazeta do Povo, ele me perguntou quantas peças eu dirigi. “Setenta”, eu respondi meio de soslaio. Talvez tenha sido menos, talvez tenham sido apenas sessenta e sete ou seis, tenho que calcular, mas foram muitíssimas e numa sinapse fajuta, eu raciocinei a minha disposição. Por quê? Por que tantas? Não, não foi por dinheiro, porque foram poucas as que me deram boa grana. Por que, então? Que necessidade tem sido essa de encenar? Talvez um complexo de megafone ou de bufão, quem sabe? Mas o fato é que gosto de dizer o que penso das coisas e da vida. E gosto do palco preenchido de gente. Gosto de ver o ator vivendo uma ilusão que não é ilusão, porque está ali, criada e viva! E tenho paixão por um determinado momento dos ensaios, pertíssimo da estreia, quando os diversos elementos começam a se juntar: cenário, figurinos, músicas, sonoplastia e a iluminação. E você vê os atores encaixando-se no meio de tudo e reelaborando aquilo que elaboraram durante meses. É novidade pra todo mundo! Alguma coisa de magia, de fantasia, de sonho e irracionalidade acontece. E você se sente um privilegiado no meio de um mundo de realidades. Você vira um efeito especial. Não é mais gente, não é mais nada. É uma fantasia tornada realidade. Não é mais nem menos que qualquer coisa, é apenas uma festa do espírito. E aí eu resolvo pensar, como sempre penso, em Orson Welles! Longe de mim me comparar a ele, embora uma das mais belas cenas do filme de Tim Burton, “Ed Wood”, seja aquela em que o Ed senta-se numa mesa e conversa, naturalmente, com o gênio. Um exalava genialidade, o outro maluquices, mas os dois sabiam o que era cinema. Tim Burton ao criar essa cena, com certeza lembrou-se da famosa frase do Orson: “Cinema é sonho! E um sonho pode ser confuso, estranho, aterrorizante como um pesadelo. Mas nunca é uma mentira!” Pois é. E agora pela manhã, mandando um cartaz para o Solda, pedindo a ele que divulgue o espetáculo em seu blog, pensei em uma frase que resumisse o espetáculo. Pois bem, saiu essa: “É Nelson Rodrigues lutando contra os idiotas de objetividade e entregando-se de corpo e alma ao óbvio ululante”! Vamos conferir e seja o que Nelson quiser! Edson Bueno.

linda e telentosa

Gabriela Haviaras em cena no curta Garoto de Aluguel

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

revista lama

No site O Livreiro http://olivreiro.com.br/blog/page/2 saiu essa matéria sobre o lançamento da Revista Lama. Confira.
.
Revista Lama: Yes, nós tempos pulp
.
Seguindo as pegadas de Raymond Chandler, Ray Bradbury e Dashiel Hammet, papas do formato, mas também no rastro de autores tão díspares como Machado de Assis, Monteiro Lobato, Viriato Corrêa e Afrânio Peixoto, chega em breve às bancas e espaços de venda mais misteriosos e suspeitos a revista Lama. A ideia é abrir um espaço para folhetins, fotonovelas, romancetes policiais e histórias fantásticas, gêneros por excelência dos pulps, originalmente livros de bolso baratinhos editados em papel barato (ou “polpa”) nos EUA e que também fizeram época no Brasil com títulos como X-9, Lupin, Mistério Magazine e Detetive. Quem toca o projeto é um pessoal dos melhores, escritores que já transitam à vontade pelos becos sujos e linhas duras do gênero: à frente o editor Fabiano Vianna, das divertidíssimas fotonovelas Crepúsculo, além da escritora e folhetinista Ana Paula Maia, a ornitóloga e vampiróloga Martha Argel, a especialista em caninos sangrentos Giulia Moon, além de gente do calibre de Luiz Felipe Leprevost, Assionara Souza, Daniel Gonçalves, Simone Campos nos textos e estúdios bacanas como o Pianofuzz, Sebográficos e Mopa nos traços. Uma clicância intensiva pelos links leva o leitor a uma bela viagem prévia pela atmosfera do que estará entre capa e capa da Lama http://www.revistalama.com.br/. Abaixo, um trailer-tira-gosto da revista. O Livreiro http://olivreiro.com.br/blog/page/2.
.

o pão brutal de ontem

Edward Hopper
Arfo e prossigo

Imagine a cena, querido, você está sentado, lê um romance, Proust. Usa óculos em decorrência do cansaço de horas e horas de leitura. E porque teus olhos já presenciaram horrores em demasia nessa vida. Digamos que teu aparelho de deslumbramento tá exausto. Na mesinha em frente, uma caneca de café, com florzinhas amarelas pintadas à mão na porcelana. Desculpa, estou exagerando. Posso te imaginar resmungando: Ela tá querendo me transformar num cara civilizado. Mas permita que eu prossiga. Entro vindo da rua. Agitada. Carrego sacolas, bolsa, guarda-chuva. Vou largando tudo no sofá. O guarda-chuva, coloco no lavabo. Você repara, mas não dá a mínima a minha entrada. Continua lendo. Começo a arrumar as compras. De tempos em tempos, olho pra você. Acendo o abajur, a tarde vai caindo mais aqui dentro que lá fora. A luz ilumina uma fotografia nossa à beira-mar, debaixo de um céu cinza de maio contrastando com o mar verde sem ondas. Então me posiciono na extremidade oposta àquela em que você está. Espero até que me olhe. E disparo: Eu tô cheia! Pânico mudo de tua parte. Disse “eu tô cheia!” e mais nada. Mas a frase, eu sei, continua se movimentando nas tuas entranhas, corroendo tua pacata almazinha de marido. Vou ao ponto nevrálgico: Sim, queridão, tô cheia feito um pote prestes a derramar seu líquido inflamável. Cheia de segredos. Segredos que não revelo por nada nesse mundo. Segredos que qualquer um teria nojo se eu revelasse. Tudo que sei é que você me atinge à queima-roupa. Quer meus olhos com açúcar e eu quero os teus. Você quer me bolinar, moldar minha carne. Só os tremendamente sensíveis conseguem te entender, eu não. Até aqui você não entendeu onde quero chegar. Por isso, continuo, como vocês homens dizem, surtada: Saiba, só os demasiado inocentes podem chamar um casamento tranquilo como o nosso de paz, eu não. Saiba, tua língua é acolchoada e tua respiração, de sal e coral, ou seja, traduzindo em fala de gente e não de intelectual, tua língua é uma droga, uma ameba, você, preciso dizer agora com todas as letras, não sabe chupar uma buceta. E tem mais, antes que me esqueça: odeio intelectuais. Sou professora de letras por falta de opção. Deus (sim, acredito em Deus, claro que você deve estar espantado, depois de todos esses anos crendo piamente que eu era como você, um nojento de um ateu, um ateuzinho de meia-tigela), mas Deus sabe, ah sabe, como odiei cada frase trocada com aqueles teus amigos insuportáveis, falando de um livro atrás do outro, achando que podem criticar resoluções políticas, com a empáfia de serem mais sábios que todos os filósofos, entendendo mais de direção de cinema que os ganhadores do Oscar. Me poupem, seus janotas de merda! É, você vivia vindo para cima de mim com versos, que absurdo, tenho muitos ainda decorados: “Você tem essa voz deitada / a me ensinar que somente os vivos / são capazes de perder a consciência”, o que é que alguém quer dizer com uma frase absurda como essa? Você era o rei declamador, oh quanta poesia em teu mundo. E eu: Aham, é, que lindo, amor. E tinha que meter a língua dentro pra você calar a boca. Querido, queridão, sei que basta um ato inconsequente para que eu provoque o sacrifício de alguém. E esse “alguém” sou eu mesma, ou é você? Se escolho entre dois amores, não sei se escolhi pelo amor de quem realmente amo, ou se escolhi pela morte do outro, a morte do desprezado. Qual de nós é o que se ferra nessa história, hein? O desprezo nunca será delicado, por mais que eu sorria, sorry. Por mais que também seja um luxuoso ato de amor o assassinato sem armas, sem sangue derramado, a morte que impede o prazer daquele que gostaria de me proporcionar o extremo. Poetas de fim de semana, que palhaçada. Sabe o que estou pensando agora? Que o desprezo é uma espécie de intimidade, assim como o segredo. E aí você se pergunta: O que será que ela quer dizer com tudo isso?, não seria mais fácil chegar aqui e falar que está tudo acabado entre nós? Não respondo o que quero. Não respondo nem que sim nem que não. Respondo que é “segredo”, hahaha, que hilário. Você agora está boquiaberto, né? Afinal sou uma mulher enlouquecida na tua frente. Enlouquecida, é verdade, ainda assim uma mulher que pensa. Tarde de mais pra você, quando resolve balbuciar alguma coisa, surpresa, continuo a catarse: Sabe por que guardo esses segredos? Porque tô na tentativa de desprezar nosso passado. É uma luta inglória, cê tá certa, mas sou cheia de esperanças. Sou ainda a burra de sempre, tentando em vão me olhar no espelho. Pois já não me reconheço mais no que vejo. O que salta dos olhos do meu reflexo são culpas de um passado sobre o qual a borracha do tempo ainda não agiu. Sabe de uma coisa? O problema de não esquecer é que a todo momento a gente lembra que existe algo a ser esquecido. Por isso, minha insistência é de ter lembranças, não esquecimentos. Eu te odeio e quero lembrar de você pra sempre, engraço, né? É que lembrando não esqueço que é preciso esquecer. E existe prazer nisso tudo. O mesmo prazer imbecil que você viveu encontrando em autores fedidos de metafísica. Viu o que você fez comigo, me dando essas imundices subjetivas pra ler? Hoje em dia tem momentos em que me distraio e, já viu, tô falando exatamente como um poeta xarope de quinta categoria. Objetivo, Rita, objetivo. Danem-se os objetivos. Tenho que falar, então agora vou falar do jeito que der, depois, no futuro, quando começar a me relacionar com pessoas práticas, quando estiver longe de professores de filosofia e chefes do departamento de letras, aí sim talvez possa desabafar com objetividade, por enquanto, vou falar como vier. Arfo e prossigo: Quer saber, existe prazer em meus segredos funcionarem feito um relógio quebrado. Os ponteiros sempre estão ali, parados no mesmo lugar. E eu a observar pela janela quando anoitece e quando de repente se faz novamente a manhã. Mas você, meu amorzinho, continua em silêncio. Você vive enclausurado no silêncio dos livros, vozes só dentro da cabeça, são as personagens. Fantasminhas de merda. E você, o leitor de sempre, esboçando um risinho estúpido de Monalisa pra elas. Quer saber, também não tenho nada mais a declarar, acabo de entender que essa profusão de sentimentos desarticulados não vai nos levar a lugar nenhum. Aliás, como sempre. Então vou pro quarto. Porque é obvio que você, o senhor leitor, prefere continuar me ignorando. No quarto, abro a última gaveta do armário, a emperrada, ela faz barulho, um barulhão, e o senhorzinho lá, só os olhos correndo da esquerda pra direita, virando a página do romance. Esse é um grande movimento, um esforço, não é mesmo? Sim, você tá no segundo parágrafo do último capítulo, ávido para seguir a história, quando meto um tiro no meu coração.

*Eis o conto que, a convite da escritora Juliana Hollanda http://www.sousachet.blogspot.com/, enviei para o blog Versos de Falópio http://versosdefalopio.blogspot.com/. Como disse, foi publicado ontem, na coluna O homem do domingo. Há também uma versão no meu livro Inverno dentro dos tímpanos http://www.kafkaedicoes.com.br/.

domingo, 20 de setembro de 2009

versos de falópio

A convite da escritora Juliana Hollanda http://www.sousachet.blogspot.com/,
enviei um conto para o blog Versos de Falópio.
Foi publicado hoje, na coluna
O homem do domingo. Confira.
.
http://versosdefalopio.blogspot.com/

uma epígrafe

Não leio mais essas confissões de escritores. Foram muito daninhas. Me fizeram supor que existem métodos e técnicas. Não existe nada. Cada escritor contrói a si mesmo como pode. Ele sozinho. Sem dar ouvidos a ninguém. E isso é dilacerante, mas não há outro modo.
Pedro Juan Gutiérrez

manual de putz sem pesares

Essa é barra pesada

Enquanto não empacotamos temos a poesia, essa coisa burra, barra pesada, catarrada que cola, endurece, vira coisa, embrutece. Essa que suja, é ruga precoce, foice não afiada. Essa que é limite perto e longe, penumbra eterna, lanterna no olho noturno. Essa que perturba pra perturbar, é tapão na orelha, acorda monstros invisíveis. Essa não tem, nem terá, raivinhazinha de você. Tem, sim, da panelinha indefectível. Essa, pra eles, é burro quando foge dando coices. Tem cor de corruíra incorruptível, é filha da daltônica arara faladeira. Essa não é pra adular, é pra durar, durar, urrar tantã, tão incrível, verso estrábico que só sabe ver como antídoto quem não for doutor anti-poesia. Essa forma não define, revolta redundante, renitente, independe deles, pende independente pra quebrar o dente desses babacas. Essa é um puta susto: Bú! Tomem no cu bestas! Basta abrir páginas d’alma e essa é um trauma. Essa eles nunca, never, jamais, jamé, nem mooorrrtas imaginaram partindo de mim, né não? Essa custa caro, castra, resume, deforma em vale-tudo, some, coage o paradigma desses merdas. Essa é maligna, é enguia, é guia traíra de cego, é atropelo. Essa não tem rabinho atrás, pernas longas pra atrasar atrasos. Essa não fica de quatro, chuta forte quem tem a bunda abundante. Essa tá cagando e andando. Essa manda um foda-se. Tem o bolso gigante, fundo, gordo de vida, não de grana. De imaginar valor, essa sabe soma, sal, sabor, sol, suor. Essa soma cenas. Essa sabe ser o que é e o que quer. Essa vai continuar aqui até o fim. Pré-molda caixão, transforma em pasta, estampa na testa, atesta sextas-feiras de festas. Essa é coisa, coisinha, coisica, coisiquinha, casca-grossa, vai durar nanica e grande-eloquente. Maníaca, essa pendura coleira, mastiga o osso insosso, é carne de pescoço. Essa é um cachorro sarnento cheio de cólera. Vai vôo durar goela abaixo, rabo adentro.

sábado, 19 de setembro de 2009

uma epígrafe

O escritor tem de escrever o que ninguém quer ler. Para escrever o que todos querem ler, existem os jornalistas. O meu editor já me disse, uma vez, que ninguém ia gostar do meu texto. E eu disse a ele que, se eu quisesse escrever sobre gosma, merda e sexo, eu iria escrever.
Rubem Fonseca

antologia dylan

três fragmentos de uma minha novela ainda inédita e sem nome

Miguel Bakun
.
De repente me vem à memória o dia em que me vesti com camisa de babado e gravata borboleta confeccionados por Dona Zilá. Para o casamento de quem mesmo? Sei que você veio em meu quarto, divina, com um vestido amarelo, com laço nas costas. Os cabelos exalavam o frescor do condicionador que você acabara de usar no banho. Você me causou uma impressão e tanto. Até que minha mãe falou: O que é isso, Mana, vai de Botas Sete Léguas na festa? Olhei para seus pés e lá estavam, azuis, rudes, contrastando com a delicadeza do vestido. O meu sapato estava me matando, dona Gica. Imediatamente, eu que há horas vinha brigando com minha mãe por causa dos sapatos envernizados que mastigavam meus pés, corri colocar minhas botas também. Quer saber?, desisto de você, Jassei, se você quer ser um jacu, seja, lavo as mãos. Eu sou o gato de botas, mãe. Eu disse isso num tom brincalhão, exibindo-me um pouco para você, que riu. Eu queria mostrar que éramos cúmplices daquele crime da etiqueta. Não importava se minha mãe já saia puta da vida em direção ao quarto dela praguejando: Melhor eu ir ver teu pai, do jeito que esses Brennelli são, é bem capaz dele querer ir de botas também.

Eu tinha 12 anos e você 11. Não só por isso estávamos achando a cerimônia do casamento da sua prima (sim, era ela) uma coisa muito chata. Então fomos para o jardim atrás da igreja. Você olhou para os meus pés, aí deu um chutezinho leve nas botas. Erguemos os olhos e eles quiseram falar algo muito íntimo, que só os quatro, mais nossos 20 dedos dentro das botas, deveriam saber. Meu rosto estava sorrindo para tua boca, que veio e deu um beijo nele. Então a minha boca ficou com ciúme da bochecha e foi beijar a tua boca. Aceita casar comigo?, perguntei. Você ficou um pouco de perfil, olhando de viés para mim. Era aquela hora do lusco-fusco, você se destacava na tarde cinzenta feito um girassol. Demorou mais do que eu podia aguentar para responder, mesmo assim aguentei. Suspenso pelo temor da negativa, aguentei. Os sinos da igreja começaram a ir para lá e para cá com seu blém blém. Até que, por baixo daquele som, veio tua voz clara feito um copo de água: Aceito. E foi assim que nos casamos a primeira vez.
.
(...)
.
Os metereologistas não davam uma dentro. Devia estar uns três graus centígrados. Era muito cedo e a geada ainda não tinha dado sinais de que ia derreter. Depois do telefonema da tia Ruth não fiquei um minuto sequer sem pensar em você e na chácara. À noite não preguei o olho. Tinha as costas doloridas até que, não podendo acordar, pois não dormira, emergi da madrugada de gelo como um esquimó que vê seu iglu pegar fogo. Tomei café com leite e um misto-quente na panificadora na esquina do meu prédio, no centro, em seguida entrei no primeiro ônibus que vi e fui desembarcar só no terminal de Santa Felicidade. O dia ainda escuro. Andei até a nossa velha rua sem saída, quase não a reconheci com seu asfalto novo em folha, ainda molhado, por cima do chão batido. Tirei o caderno com capa de couro do tio Breno de dentro do bolso, abri, e lá estava: 50 propostas para uma vida melhor. Talvez eu estivesse tentando colocar algumas delas em prática. Não deixar que meus antepassados morressem em minha memória, era uma boa. Então me pus a escrever para você, porque, agora com a venda da chácara, com a doença da tua mãe e da tia Ruth, me deu um medo de ficar sozinho, de não aguentar. E como eu acho mesmo que não vou chegar a ser um desses velhinhos simpáticos, com problema de audição, sobrancelhas desgrenhadas, vestindo calça de veludo e pulôver que cheiram a mofo e sopa, tentando curar uma tosse crônica com xarope de mel... agora... eu... É uma pena que eu não vá chegar lá. Tanto meu pai quanto tio Breno foram esse tipo de anciões. Mas o que você tem com isso? Ainda mais depois de tantos anos? Não quero passar a vida sofrendo dessa nostalgia boboca. Tua vida agora é outra, talvez você sequer se recorde da família Brennelli, quem dirá da velha chácara que agora será vendida e, possivelmente, transformada em condomínio de luxo, ou numa fábrica, ou ainda num maldito shopping. Esse lugar que para nós, para mim pelo menos, talvez no passado tenha sido uma espécie de paraíso, belo e assombrado, como são as infâncias.

especulações sobre o amor simples

pinguim perdido do bando
fui procurar o humano fora da minha mulher
mas buscar é o exílio de buscar
garrafas de vodka ignoram que
tudo trinca por dentro antes de congelar
alpinistas morrem escalando o vento sul
e orelhas são tragadas pelo oceano quando
fui procurar o humano fora da minha mulher
e isso é como pegar alguém que já não é alguém no colo
um saco de gelo que a mão não aguenta
incapaz de chorar, suando geadas
debaixo do pulôver quando as ausências
pulsam feito órgãos fui procurar
o humano fora da minha mulher
sedentos por loucura, no instinto
os homens se igualam, mas foi em vão que
cruzei fôlegos num fôlego só
se com a boca diante da fonte fugi
optei permanecer sedento?
só se eu fosse um tolo, e não sou
numa braçada quis engolir sacos de sal
e isso é impossível de se fazer sem nunca
aportar na temperatura máxima da sua febre

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

gabriela carneiro da cunha


Essa é a diretora e atriz carioca Gabriela Carneiro da Cunha, mandando ver numa canção clássica do Belchior.

Como nossos pais
.
Não quero lhe falar
Meu grande amor
Das coisas que aprendi
Nos discos
Quero lhe contar
Como eu vivi
E tudo o que
Aconteceu comigo
Viver é melhor que sonhar
E eu sei que o amor
É uma coisa boa
Mas também sei
Que qualquer canto
É menor do que a vida
De qualquer pessoa
Por isso cuidado meu bem
Há perigo na esquina
Eles venceram e o sinal
Está fechado pra nós
Que somos jovens
Para abraçar seu irmão
E beijar sua menina
Na rua
É que se fez o seu braço
O seu lábio
E a sua voz
Você me pergunta
Pela minha paixão
Digo que estou encantado
Com uma nova invenção
Vou ficar nesta cidade
Não vou voltar pro sertão
Pois vejo vir vindo no vento
O cheiro da nova estação
E eu sinto tudo
Na ferida viva
Do meu coração
Já faz tempo
Eu vi você na rua
Cabelo ao vento
Gente jovem reunida
Na parede da memória
Esta lembrança
É o quadro que dói mais
Minha dor é perceber
Que apesar de termos
Feito tudo o que fizemos
Ainda somos os mesmos
E vivemos
Ainda somos os mesmos
E vivemos
Como os Nossos Pais
Nossos ídolos
Ainda são os mesmos
E as aparências
Não enganam não
Você diz que depois deles
Não apareceu mais ninguém
Você pode até dizer
Que eu estou por fora
Ou então
Que eu estou inventando
Mas é você
Que ama o passado
E que não vê
É você
Que ama o passado
E que não vê
Que o novo sempre vem
E hoje eu sei
Que quem me deu a idéia
De uma nova consciência
E juventude
Está em casa
Guardado por Deus
Contando o vil metal
Minha dor é perceber
Que apesar de termos
Feito tudo, tudo
Tudo o que fizemos
Ainda somos
Os mesmos e vivemos
Ainda somos
Os mesmos e vivemos
Ainda somos
Os mesmos e vivemos
Como os nossos Pais

Belchior


manual de putz sem pesares

Dente podre anestesiado de Andy Warhol
.
O ser humano é igual nuvem, em 15 minutos pode mudar mais de 15 vezes. 15 minutos é tempo suficiente para se chegar à exaustão. 15 minutos é o tempo de um bom banho. É tempo para se quebrar o pau com a namorada pelo telefone. Em 15 minutos se toma um café com aquele amigo que você não via há anos. Em 15 minutos se prepara uma lasanha no microondas. 15 minutos é tempo para ficar famoso, morrer e ressuscitar. É o tempo de uma sanguinária briga de galo. É o tempo de uma sanguinária luta de vale-tudo. É o tempo de uma sanguinária chacina. É o tempo necessário para se chagar ao gol. É o tempo para o garotinho de 15 anos melar a cueca. Se temos 15 minutos podemos fazer algo antigo, flanar, por exemplo, por ruas de bairros bucólicos, ou nos dedicar à botânica. 15 minutos, 15 minutos. Em menos de 15 minutos alguém anda na prancha do navio pirata para ser lançado aos tubarões. Em menos de 15 minutos alguém cruza um túnel qualquer com o rádio do carro fora do ar. Em menos de 15 minutos a mosca azul zune depois de enterrados os mortos. Em menos de 15 minutos um jet-boat abre uma cicatriz absurda em baías sujas de óleo. Recomenda-se que todos tirem ao menos 15 minutos por dia para si. 15 minutos, o tempo recomendado. De qualquer modo, os puteiros da cidade não são lugares recomendáveis se você só tem 15 minutos. 15 minutos. Todo mundo tem 15 minutos, só a pressa é que não tem. A pressa joga squash. A pressa toma sal de fruta para digerir angústias. Sem cigarros a pressa é intragável. A pressa queima a língua e a ponta dos dedos fumando baseadinhos em localidades de risco. A pressa inventou restaurantes à quilo. A pressa fabricou carros de fórmula-1. A idade é uma filha que a pressa tem. Todo mundo tem 15 minutos, só a pressa é que não. A pressa almoça barrinhas de cereais na farmácia mais próxima. A pressa não gosta, mas se submete às segundas-feiras. A pressa conhece avenidas, e ignora as esquinas. A pressa tem pressa, quer fazer de você alguém descartável. A pressa é quem faz pessoas serem esfaqueadas, asfixiadas. A pressa mete bala em teus miolos em troca de dinheiro. Se a pressa é inimiga da perfeição, ela é a melhor amiga do dinheiro. A pressa criou cadeias de fast-food. Deu esperança aos freelancers. Criou a sensação de déjà vu. Inventou enciclopédias, depois o Google. 15 minutos é o tempo que um dentista sem pressa tem para arrancar teu dente podre anestesiado.

bruna beber

.
Imperdível para quem estiver no Rio.
.

uma epígrafe

Talvez você não tenha dado bastante beijo na boca.
Juro pra você que não foi isso.
Diz quantas vezes por dia você beijava e vou dizer se era bastante.
Quatrocentas.
Não era bastante.
.Miranda July

viva o mestre solda

Luiz Antonio Solda
.
Exclam Propaganda, década de 80
Se não me falha a memória
.
Eu e Paulo Leminski, dupla de criação. Reclamo: Polaco, não sei como fazer a charge de hoje! Ele: Imite-se, Soldinha! É o que eu tenho feito há anos! Se não conseguir com a mão direita, desenhe com a mão esquerda! Solda.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

notas para um livro bonito

Chegada de Emiliano Pernetta no Passeio Público,
em 20 de agosto de 1911 - data de sua coroação
como príncipe dos poetas paranaenses.
O poeta traz nas mãos flores oferecidas por uma criança.
as missas não são mais em ucraniano
sou uma espécie de latin lover sem
bigode na saída da Catedral olhando
passar meninas brancas embrulhadas em lã
tenho um cigarro nos dentes e
nunca mais a preocupação de não levar
uma bronca da minha avó
cachorros latem longe o sangue das veias
é sempre domingo quando
amanhece no centro velho
os sinos abalam o vôo das pombas
girinos nos lagos do Passeio Público são
lâmpadas fosforescentes dentro da neblina e
a Ilha da Ilusão abriga uma
barraquinha de cachorro-quente
junto, esse simbolismo impertinente
fora de época, o mesmo magro odor de
encontrar o fantasma do
Emiliano Pernetta acenando um
“bom dia” feito dissesse uma reza

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

especulações sobre o amor simples

você não pisca
não franze os lábios
não respira
até que tua garota surge
assim feito os segundos que
antecedem a composição de
uma melodia
e aí você dança
fica todo babado
a compressa de calor das
axilas dela derretem teu
coração de margarina até
não restar mais do que
um pouco de saliva queimada
ínfima mancha no lençol
você olha pro lado: cadê?
ela sobe, some, assombra
por que não é de outra forma?
depois que você deságua
lentamente, inteirinho
pede licença pra esse ausência
e vai arranhar o espelho do
banheiro até apagar a
própria imagem pra
substituí-la pelo apelo
o apelo, o apelo
agora esse é seu rosto
que não pisca
não franze os lábios
não respira

barras antipânico e barrinha de cereal na revista top view

Então, chegou a edição de setembro da revista Top View. Há várias matérias bacanas nesse número, destaco uma sobre o modernismo na arquitetura de Curitiba, com atenção maior, e oportuna, para o Teatro Guaira, projetado por Rubens Meister. Há também texto, que reproduzo aqui, assinado pela jornalista Melissa Crocetti sobre meu livro Barras antipânico e barrinha de cereal.
.
Contos urbanos
.
Escritor Luiz Felipe Leprevost lança livro de contos Barras antipânico e barrinha de Cereal.
.
No primeiro conto, o personagem é um senhor de 90 anos que freqüenta uma confeitaria tradicional da cidade e tece comentários poéticos e filosóficos sobre o mundo atual. Em outra história, um homem que acha que é um personagem do filme Apocalypse Now não aguenta as pressões da cidade, vai parar numa cabana no litoral paranaense, é esquecido por lá e acaba se transformando em um caranguejo. Em um outro conto, uma atriz famosa que um dia já foi prostituta começa a assassinar seus amantes, mas preserva aquele que ama, foge com ele para Cuba e ambos passam por uma adulteração facial; ela fica com feições de Angelina Jolie e ele de Hunter Thompson e eles sobrevivem praticando sexo explícito.
.
Essas são apenas três pequenas sinopses de alguns dos nove contos que compõe o livro Barras antipânico e barrinha de cereal, de Luiz Felipe Leprevost, lançado no fim de agosto pela Editora Medusa. Leprevost conta que os personagens de suas histórias são seres urbanos e solitários, que nem sabem mais que são solitários de tão bombardeados pelo excesso de consumo de coisas plásticas, sem alma e que os afastam da essência da vida. Além disso, os contos trazem referências à grandes nomes da cultura moderna e contemporânea mundial, como o dramaturgo irlandês Bernard Shaw ou o personagem Lebowski, do filme de Joel Coen. “Em cada conto tento mostrar o esfacelamento da personalidade do cidadão individual, sem nenhuma voz dentro do coletivo, já que sua opinião não conta mais, pois uma espécie de novo fascismo altamente burocratizado é quem dita todas as regras”, diz o autor. “Trabalho muito com metáforas de mitos contemporâneos na tentativa de sintetizar e até criar alguma alegoria sobre esses mitos.”
.
A escolha do título, segundo o autor, é também um exercício da crítica à sociedade que vive neurótica em relação à segurança, fechando-se cada vez mais em guetos, e à velocidade em que as pessoas vivem – que muitas vezes as fazem almoçar barrinhas de cereais.
.
Curitibano, Luiz Felipe Leprevost é poeta, dramaturgo, contista, músico, ator e diretor teatral. Em 2002 lançou o livro/CD Fôlego. É autor também dos livros de bolso Tornozelos Deitados (2005, Kafka Edições Baratas), Cecília Roendo as Unhas (2005, Kafka Edições Baratas), Pífio, monólogos dos psicotrópicos que não fazem mais efeito (2007, Kafka Edições). Também de Ode Mundana (2006, Editora Medusa) e Inverno dentro dos Tímpanos (2008, Kafka Edições). A obra lançada pode ser adquirida na Livraria Arte e Letra (Rua Pres. Taunay, 40, dentro do Lucca Cafés Especiais) ou através do blog do autor www.notasparaumlivrobonito.blogspot.com. Melissa Crocetti.

estréia a vida como ela é

Parte do elenco de A vida como ela é
.
Estréia hoje a peça A vida como ela é . São contos do Nelson Rodrigues com adaptação de Edson bueno. A peça acontece no Mini Guaira, às 20h.
.
No elenco estão: Chiris Gomes, Tiago Luz, Regina Bastos, Diego Marchioro, Martina Gallarza.
.
Quem criou a trilha sonora foi o maestro Octávio Camargo, sempre com a sensacional Chiris Gomes ao lado. Dia desses estive em sua residência, entre vinhos e conversa, acabei parceiro de duas das canções da peça.
.
Não poderei prestigiar a estréia, pois minha sobrinha acaba de nascer. Festa em família.
.
Pelo mesmo motivo, não estarei no aniversário da minha adorada Nina Rosa Sá. Desejo tudo de bom para ela.

feliz aniversário, nina rosa

Outro sapo, outro baiacu
ou
Uma pequenina peça de amor revista
.
“Um- Posso pôr meu coração a seus pés.
Dois- Se não sujar meu chão.
Um- Meu coração é limpo.”
(Heiner Müller)
.
É um figurino leve, confortável. Ela parece, muito, vestida de si mesma. Não usa máscara. Não há nada de insano em sua feição, pelo contrário, seu rosto revela uma alegria que chega a ser angelical.
.
Em algum momento do texto, ou durante o texto todo, fica a cargo da atriz, ela deve cantar. É um canto conhecido, cantado sempre por todos a sua volta. Mais se assemelha a uma fala de amor o canto. O canto é assim: A vida a vida a vida a vida a vida a vida a vida a vida a vida a vida a vida a vida a vida, eu aceito isso.
.
tenho um coração
que é pra você
pois se aqui estou
é porque estou viva
e se estou viva
é porque tenho coração
e se tenho coração
ele é uma coisa que pulsa
não um sapo ou um baiacu
um sapo ou um baiacu são
coisas que pulsam
mas eles dois
.
há um sapo e um baiacu em cena
mas eles não são nojentos
são um sapo e um baiacu simpáticos
bonitinhos
de desenho animado
.
não são o coração a que me refiro
então, esse coração
que é esse
.
aponta o próprio peito
.
é um coração que pulsa
sim, pulsa
mas por aqui
a gente gosta de dizer
não que ele pulsa
mas que ele bate
então se bate
bate por quem?
bate por você que tanto venero?
vou dizer que te amo
que te venero
é claro que eu devia fazer isso!
se te venero
deve ser por você que o meu
coração bate
sim, é por você que o meu
coração bate
ele
ele ele ele ele
bate por você
pra você e
pra me manter viva em você
ele
ele ele ele ele
bate pra que eu possa fazer
declarações de veneração
feito essa
na qual você reparou
feito essa pela qual
você foi conquistada
essa que é só pra você
pra você, pra você
que até o momento parece sentir
exatamente o mesmo que
venho sentindo
que sapos
ou baiacus
podem até ser bons signos para
se colocar em cena e
metaforicamente ser
chamados de “meu coração”
mas isso que está aqui
na verdade são os teus pés nus
lavados humildemente nas
águas limpas do meu coração
de verdade

terça-feira, 15 de setembro de 2009

luiz ruffato

Acaba de sair, publicado pela Cia das Letras, o novo livro de Luiz Ruffato, Estive em Lisboa e lembrei de você. É a estória de Serginho, um imigrante ilegal brasileiro (mineiro, de Cataguases), na capital portuguesa. Desiludido com o casamento e a falta de emprego, Serginho decide se aventurar em busca de redenção financeira e amorosa. O livro faz parte da coleção Amores Expressos, projeto que enviou autores brasileiros para várias partes do mundo, contando com as boas estórias que trariam na mochila.

nara leão

especulações sobre o amor simples

Liz Gallardo no filme, adaptado do romance de Guilhermo Arriaga,
O Búfalo da Noite, com direção de Jorge Hernandez Aldana
.
é morno seu rosto
as sardas no verde dos meus olhos
as garras de caranguejo
mastigam minha boca
as pernas longas
a bundinha, curvas desenhadas por
alguém muito esperto
talvez um Mondigliani com
quatro garrafas de tinto na cabeça
o cheiro do olhar de safada
me ajuda a tirar sua blusa
ali estão os peitinhos acusadores
depois, levanto a saia
a mão esquerda puxa a calcinha
pêlos vastos, sem aparo
avanço os dedos e
é um creme o clitóris
ela pede: lambe, amor
lambo
enquanto isso, ela cava a
terra que envolve meus olhos
arranca-os das raízes
come-os
venda-me com a tarja do fogo
serve-me vivo para banquetes de
exus quando a morte não tem pressa
vejo, assisto e adoro
mordo sua nuca
agora o pescoço
nos beijamos com
línguas que são carne-viva na
carne-viva
desço pelas costas
carícias com o nariz nas axilas
vou para a barriga, umbigo
descontrolada
diz coisas sem sentido
pede mais
intensifico o abraço
ela me afasta
então bebo de sua mão o derrame de
um tapa na cara
mais beijos nos seios
ela dá um gritinho abafado
quando começo devorar
seu coração, esse
peixe liso que se debate
exploro novamente o abdômen
e outra vez lambo as coxas meladas
abro o zíper
tiro calça e cueca como fossem uma peça só
deito puxando ela para cima
senta de uma só vez
a estocada e
desejamos dar frutos
vem o orgasmo
gozamos mordendo os
lábios um do outro
os dentes são ferinos felinos
nos apertamos
prensamos
carimbamos
então sobem de nós
dejetos de choro e alegria
sem mais ontem nem amanhã
só eu e minha garota
outra vez em chamas
só agora entendo
o fogo vai ocultando o que devora

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

notas para um livro bonito

desertar do
deserto desertar do
deserto desertar do
deserto, taí uma ação que
povoará outros desertos

nomear uma a uma as
escuridões na
escuridão, uma a
uma as escuridões
taí um modus operandi para
a iluminação pública

dramaturgia em curitiba

Leprevost,
.
Estou divulgando trabalhos de dramaturgia através do blog http://estudosdedramaturgia-parana.blogspot.com/. Participo da Oficina de Dramaturgia, coordenada pelo Roberto Alvim, dentro do projeto do Núcleo de Dramaturgia SESI Paraná. Vários textos já foram produzidos pelos participantes da Oficina e, agora, vamos começar a promover leituras desses textos. Conto com você na participação e divulgação.
.
Abraço, Rogério Viana
.
Esse foi um comentário bacana que recebi na postagem anterior. O Núcleo de Dramaturgia do SESI fez com que nesse ano vários talentos da cidade, encabeçados por meus bróders Roberto Alvim e Marcos Damaceno, vitaminassem a cena local. É isso aí, Rogério, está divulgado. Forte abraço.

viva o mestre chacal

aula inaugural de poesia do professor rocar

para que viver?
para experimentar.
para que experimentar?
para conhecer.
para que conhecer?
para se encontrar.
para que se encontrar?
para se perder.
Chacal /04

uma epígrafe

Eu era um sujeito perseguido pela saudade. Sempre fora, e não sabia como me desligar da saudade e viver tranquilamente.
Ainda não aprendi. E desconfio que não aprenderei nunca. Pelo menos já sei algo valioso: é impossível me desligar da saudade porque é impossível me desligar da memória. É impossível se desligar daquilo que se amou.
Pedro Juan Gutiérrez

domingo, 13 de setembro de 2009

balbucios de blues

não sei se fundo de poço tem mola
tentei tirar a prova dos nove e tive que
voltar lá de dentro escalando sem
equipamento de segurança
comigo sempre foi difícil
nunca tive muita coisa
cavalos nem revólver
jamais conquistei a mocinha com
tiros e galopes
tampouco com meus rocks
foi sempre necessário engolir um
deserto em cada esquina
funcionando feito um cacto
nunca tive grandes coisas
além de bons pais que me acolhem
e alguns amigos que dividem a
mesma fome
aprendi a uivar para ser ouvido no
escuro dos poemas
uivar não feito um lobo
mas qual o homem jurado de morte
ferido a prata por algum
General Custer que
vivia de tocaia por aí

sábado, 12 de setembro de 2009

antologia dylan

otavio linhares

todo dia de manhã é a nostalgia das besteiras que fiz ontem.
.
Otavio Linhares

especulações sobre o amor simples

Foto por Ricardo Pozzo
.
refúgio, esses buracos
o calor de partes erógenas com sua
luz feita de grãos que se espalham a
cada rajada de gemidos, calor
nalgum ponto capaz de
tornar superfície as secreções
privilégios dos sabores
afagos da saliva
cheiros que são toques
sucos, suores da inconsciência
a animalidade é o espírito
tua porra tua porra tua porra
tão efêmera quanto um espirro

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

balbucios de blues

naquela época
enquanto eu fazia as malas, ela mascava balas de goma
eu só a procurava nos fins de semana, mas ela me
queria todos os dias em sua cama de pregos
eu não acreditava como uma garota linda como aquela
podia estar comigo
ela dizia que eu era esquisito
como podia não gostar de descer pra praia?
era porque eu tinha vergonha de tirar a camisa
ela, por outro lado, não ia muito ao Café Mafalda, por princípios
eu amava os cabelos cheirosos dela
o vinho fazia tão bem para seu coração
e o meu estava constantemente derramado numa taça esperando
mas ela não tinha um paladar com critérios dos mais elaborados
jamais diferenciaria uma preciosidade de algo que apenas
mantivesse seu cérebro anestesiado
por isso às vezes me trocava por algum ou alguma idiota
talvez gostasse do vômito, da resseca no dia seguinte
se tudo der errado, dizia cheia de dengos
me suicido com uma navalha que não grita
por aí pode-se intuir que minhas futilidades enchiam o saco dela
que também reclamava das minhas roupas de velho
as roupas, por sua vez, não se incomodavam com o
fato de meu corpo viver cansado
eu era mais um dos indigentes filhinhos da
mamãe que vivem por aí bancando os espertos
mas na verdade, a tristeza se escorava em mim
e a esperança não passava de um requinte
a escuridão, no entanto, não me amedrontava quando
libertava os fantasmas dela
era o seu medo que roia o pé da nossa cama
o estrado, colchão, cobertor, não o meu
eu dizia: é que a escuridão não desampara as
pessoas no meio da madrugada
e ela: você não tem medo de ser devorado
já reparou como a solidão tem caninos afiados?
eu ficava quieto
sabia como as coisas funcionam
a mulher que queira devorar um cara como eu
sempre agirá feito uma cadela
mas não serei eu a providenciar coleiras
quero dizer, que ela fosse procurar carne onde achasse melhor
ou então era mais prático meu coração ser um osso

antologia dylan

balbucios de blues

é melhor terminar antes que chegue o fim
e não olhar para trás se não tem ninguém mais por lá
é melhor desistir do que desesperar diante de quem não ama
mesmo que nunca, que não, que em hipótese alguma
é melhor acreditar que alguém vai chegar e
que você será tocado pelos dedos mornos, não da esperança
mas disso que um dia chamou “tecnologia do afeto”
você já assistiu cenas seguidas de cenas sem
poder evitar que partissem
agora, antes que aconteça outra vez, é
preferível saber que as coisas dão errado, que
tudo poderia ser pior, que o mundo é grande e repleto de
projetos, moda, melancias feitas sob medida para
pescoços duros de roer e sorrisos de hienas
então, não deixa de ser uma boa opção terminar
antes que no fim do fim do fim alguém
venha dizer que você não serve
pelo fato de já não conseguir se superar e
ser mais fodão do que foi um dia
todos se ressentem disso, saiba, você tem uma
irreverência que beira a promiscuidade
é atormentado demais, incômodo demais para
que seres humanos extraordinários
possam suportar teu bolerão

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

uma epígrafe

Desde então me incomodam muito estas duas palavras: correto e sensato. São falsas e pedantes. Servem para ocultar e mentir. Tudo é incorreto e insensato. Toda a história, toda a vida, todas as épocas foram incorretas e insensatas. Nó mesmos. Cada um de nós, por natureza, é incorreto e insensato, só que nos reprimimos para voltar para o cercado como boas ovelhas, e aplicamos rédeas e mordaças em nós mesmos.
Pedro Juan Gutiérrez

revista lama

Idealizador e editor da revista Lama,
Fabiano Vianna, com seu inseparável Moleskine
.

http://www.youtube.com/watch?v=uNuml2Gif7E Esse é o primeiro trailer de divulgação da Lama. Revista impressa que pretende instigar a produção de uma literatura pulp brasileira. Os escritores e ilustradores deste exemplar criaram seus contos de horror, suspense ou realismo fantástico com completa liberdade temática. O resultado englobou temas bem distintos, criando assim uma edição muito rica. Criaturas, psicopatas, vampiros, detetives. Do terror ao suspense. Do realismo fantástico ao horror inimaginável. Contos de: Ana Paula Maia, Fabiano Vianna, Luiz Felipe Leprevost, Assionara Souza, Martha Argel, Giulia Moon, Daniel Gonçalves, Rodriane DL, Gisele Pacola, Simone Campos & Emanuel R. Marques. Artes de: Pianofuzz, Francisco Gusso, Daniel Gonçalves, Yan Sorgi, Mopa, Bruno Oliveira, Sueli Mendes & Firmorama.

http://www.revistalama.com.br/

notas para um livro bonito

na época em que fui um
maldito iconoclastinha
era bem comum algumas
pessoas viverem me assassinando
quantas vezes de mim só
restou a cabeça decapitada
rolando na sarjeta
mas aí, cada vez que alguém se
aproximava para sentir pena
asco ou alívio, mesmo em
meus estertores, feito um
pinscher, ainda tinha forças para
agarrar tornozelos, canelas
calcanhares, panturrilhas
e reiniciar o já perdido combate

canções que afagam condenados

Sérgio Sampaio
.
Tem que acontecer
.
.
Não fui eu nem Deus
Não foi você nem foi ninguém
Tudo o que se ganha nessa vida
É pra perder
Tem que acontecer, tem que ser assim
Nada permanece inalterado até o fim
Se ninguém tem culpa
Não se tem condenação
Se o que ficou do grande amor
É solidão
Se um vai perder
Outro vai ganhar
É assim que eu vejo a vida
E ninguém vai mudar
.
Eu daria tudo
Pra não ver você cansada (zangada)
Pra não ver você calada (cansada)
Pra não ver você chateada
Cara de desesperada
Mas não posso fazer nada
Não sou Deus nem sou Senhor
.
Eu daria tudo
Pra não ver você chumbada
Pra não ver você baleada
Pra não ver você arriada
A mulher abandonada
Mas não posso fazer nada
Eu sou (sou só) um compositor popular
.
Sérgio Sampaio

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

para chamar o sol

Aline Roman, por Albert Nane

terça-feira, 8 de setembro de 2009

abraço fraterno

Alexandre França, Octávio Camargo, Alexandre Nero,
Gilson Fukushima e Luiz Felipe Leprevost,
fotografados por Phillip França
.
Sempre bom estar entre amigos. Essa fotografia foi tirada em frente ao Teatro Paiol, 13 de agosto, na noite em que Francinha lançou o cd Música de Apartamento.
.
.
Confira: Mercadoramama (Octávio Camargo, Troy Rossilho, Alexandre França e Luiz Felipe Leprevost), uma das coisinhas mais direitas que já compusemos.

notas para um livro bonito

foto de Daniel Castellano

estou sentado aqui onde
estou sentado por horas a fio
continuo escrevendo já que o fogo
não acabou de comer minhas mãos
sim, escrevo à mão... com as duas
e mais com as mãos do que com o coração
e mais com ele do que com o cérebro
o fogo é assim, come o que vale ser comido
come o que quer e o que não necessita
nada pesa em seu estômago azul
a escuridão mastigada é
sua melhor amiga, é ela quem
o ajuda a modelar as chamas nervosas
a uma película que escureceu
dizemos se tratar de um “filme queimado”
um filme queimado, eis o meu final de tarde

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

notas para um livro bonito

a paciência foi
inventada para isso
para que deixemos a
natureza agir
a fruta já caiu do pé
agora é esperar
apodrecer

domingo, 6 de setembro de 2009

o pão brutal de ontem

Ocaraqueteama

Vivo dizendo pra mim mesma: Cecília, ele é Ocaraqueteama. Ele se chama Ocaraqueteama. Ele mora na rua Ocaraqueteama. Ele recita versos que dizem exatamente isso: Ocaraqueteama. E ele tem muita saudade e não sabe quando um dia vem pra Curitiba novamente, pois o medo o paralisou. Ele tinha vontade de estar num lugar como aquele do filme Na natureza selvagem, mas até hoje ainda não compreendeu que a solidão é sua melhor amiga, ele tem o maior cagaço da solidão. Ocaraqueteama tá casado com a solidão. E Na natureza Selvagem ajudou a abatê-lo ainda mais. Ele quer fugir, mas aonde vai a solidão o acompanha, por isso mesmo, nunca tá sozinho. Ele não suporta mais as mesmas pessoas, as mesmas rodas. Ocaraqueteama tem vontade de ir pra algum lugar bem longe. E você é a única pessoa que ele adoraria levar com ele. É o que eu falo pra mim. Mas aí logo me desminto. Eu sei que tudo isso é uma crença burra, e que todas as crenças são burras, e que a crença que diz “a esperança é a última que morre” é a mais burra de todas as crenças. Então disco um número, o telefone do Caraquemeama. Disco, deixo tocar três vezes, ele atende. Não respondo nada aqui do outro lado da linha, apenas penso: Ele não vai me escutar chorando as pitangas. Então desligo o fone na sua cara, interrompendo o seu "alô quem é?" Sim, eu tava prestes a dizer: Entenda, idiota, entenda de uma vez por todas, ninguém tá interessado numa mulher que não se exalta. E eu queria dizer isso de um maneira bem exaltada, queria dizer isso gritado assim: Entenda, Idiotaquemeama, entenda, ninguém tá interessado numa mulher que não se exalta! Mas pra que gritar, Cecília? Pra quê, se Ocaraqueteama não pode tirar radiografias dos teus dentes, do teu fêmur. Pra quê? Se Ocaraqueteama só se interessa por tua fala embargada, por tua humilhação de bêbada, de secadora de garrafa de gim. Ocaraqueteama, Cecília, é um cuzão de merda, um pau no cu do caralho. Ele sabe que você foi até o fim de centenas delas, você foi até lá e não encontrou a porra dos colibris que ele jurou morarem no fundo das garrafas.