terça-feira, 17 de janeiro de 2012


alguém com uma pata de toupeira no lugar da mão. e adquiro completamente forma por demais grotesca nos dias em que sou obrigado a dedicar cem por cento do meu tempo ao trabalho burocrático. após tão dolorosa transformação, quando a pressão passa e me é permitido relaxar, imediatamente sou devolvido à forma humana. porém, minha garra peluda e dura, a fétida mão que escreve, permanece imutável em tais características. quase sempre me envergonho dela. parece que nunca vou me acostumar. detesto seu cheiro e voracidade. sei que ela assusta a todos. decepá-la seria, de fato, uma solução. mas sabe, teve o dia em que compús uma redação que contava a estória do meu amor...

Um comentário:

  1. Adoro seus textos!


    Como vai tu?
    Espero que muito bem.
    beijo!

    ResponderExcluir