terça-feira, 27 de abril de 2010

uma epígrafe

.
Fico na janela, de costas para ela, olhando um pardal bicar estrume fresco. Incrível como é fácil o pardal se manter. Chove um pouco, pingos bem grandes. Eu achava que um pássaro não conseguia voar com as asas molhadas.
Henry Miller

7 comentários:

  1. rodrigomadeira79@gmail.com27 de abril de 2010 12:27

    este poema é lindíssimo...
    (2 trechos desformatados)

    O PARDAL

    a meu pai

    (...)

    Até os japoneses
    o conhecem
    e o têm pintado
    empaticamente,
    com profunda compreensão
    de suas características
    menores.
    Nada de sutil
    sequer remotamente
    na sua corte amorosa.
    Ele se agacha
    diante da fêmea,
    arrasta a asa,
    valsando, e alça
    a cabeça
    e simplemente -
    berra! O alarido
    é terrível.
    (...)

    Prático até o seu desfecho
    é o poema
    da existência dele
    que triunfou
    finalmente;
    um punhado de penas
    aplastado no calçamento,
    asas simetricamente abertas
    como que em vôo,
    sem cabeça,
    o negro escudo do peito
    indecifrável,
    uma efígie de pardal
    uma pasta seca apenas,
    deixada ali para dizer
    e o diz
    sem ofensa,
    lindamente;
    Isto era eu,
    um pardal.
    Fiz o melhor que pude;
    adeus.

    WILLIAM CARLOS WILLIAMS (trad. josé paulo paes)

    ResponderExcluir
  2. Olá! Marcia Tiburi postou um poema seu, agorinha no: http://colunas.gnt.globo.com/pinkpunk/
    Belíssimo poema! Parabéns!
    Aurora http://debrilho.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. que exposição da vida e da morte tão simétrica, tão bem espelhada, Madeira. que coisa mais direita esse poema do William Carlos Williams. obrigado por enviar. saudade de você, amigo. que tal um chocolate quente qualquer hora dessas? abraço.

    oi Lili. também gosto de janelas. me faz lembrar agora um verso do Vitor Ramil: "a janela em mim é tão brutal". obrigado. bj.

    que ótima notícia Aurora. gosto tanto da Marcia Tiburi, me deixa muito feliz que a Coyote tenha ido até ela e que então um poema meu tenha sido publicado em seu blog. obrigado por vir aqui contar. bj.

    lepre.

    ResponderExcluir
  4. rodrigomadeira79@gmail.com30 de abril de 2010 19:25

    ó meu caro, vamos lá! ligo assim que abrir clareira nos compromissos.
    pra falar bem, pra falar mal, sob o efeito vidente e emburrecedor da cafeína.

    abraço.

    ResponderExcluir